COMO TUDO COMEÇOU

 

Nossa iniciativa surgiu a partir de amigos que compartilharam o desejo de trazer para o Rio um impulso antroposófico amplo e de qualidade. Ouvimos comentários e pedidos de diversas pessoas que gostariam que houvesse uma formação biográfica no Rio de Janeiro.

 

Somos todos aconselhadores biográficos e atuamos em nossas diferentes áreas profissionais usando a metodologia biográfica. O trabalho biográfico propicia isso: a união de talentos atuando para a compreensão do Ser Humano de uma forma mais profunda.

 

Chegamos no ponto comum onde nossos corações convergiram para trazer a formação biográfica para o Rio de Janeiro.

O QUE NOS INSPIRA

 

Conto: Pontos de luz

Era uma vez uma noite escura...
muito escura, nada se via...

de repente, no meio daquela noite, às vezes um pouco menos de penumbra...
um pontinho de luz bem ao longe surgia
apareceu outro ponto.... do outro lado outro ponto... mais um pontinho...

e esses pequenos pozinhos de estrela, pouco a pouco se juntavam
e iam aparecendo... iam se dirigindo para a Terra...
e no céu escuro brilhavam.

Um ponto aqui... um ponto ali... a noite escura um pouquinho clareava,

via-se nitidamente esses pontinhos que chegavam.
A Terra andava seca, na noite perene.

As vezes um pouco de penumbra, quem sabe um tom de anoitecer...
Mas sempre escura, mas onde aquele pontinho de luz chegava
a penumbra se fazia e um pouco clareava...

E pequenas flores que até então em botão ainda eram,
com aquela luz começavam a se abrir.

As plantas começavam a florescer um pouco mais,  a se abrir.

 O ponto de luz penetrava em cada plantinha

e a plantinha então começava a iluminar
e o milagre acontecia que cada plantinha, que cada serzinho que aquele ponto de luz tocava
demorava um pouco... outros imediatamente...
cada um tinha o seu tempo, o seu processo... mas daquela planta, daquela flor que se abria,
um novo ponto de luz surgia e então, pouco a pouco, aquele jardim que até então adormecia
cheio de pontos de luz que se abriam,
ia se tornando um céu de estrelas e esses pontos de luz, esses pozinhos de estrela
iam se espalhando, espalhando... até chegar um momento, em que era tanto ponto de luz, tanta poeira de estrela
que a meia-noite, meio dia parecia e o mundo inteiro então iluminado,
e cada flor, cada ponto de luz, com seu destino, trazendo luz a esse mundo.

por Heloisa Oliveira